Início Destaque SES divulga situação da Dengue em Minas. Lafaiete intensifica ações de prevenção...

SES divulga situação da Dengue em Minas. Lafaiete intensifica ações de prevenção e combate

917

A Secretária Estadual da Saúde (SES) divulgou no dia 22/04 o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de dengue, chikungunya, e zika vírus. Em 2019, até o momento Minas Gerais registrou 140.754 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de dengue. Foram confirmados 14 óbitos por dengue dos municípios de Arcos (1), Betim (6), Frutal (1), Ibirité (1), Paracatu (1), Uberlândia (2) e Unaí (2). São 57 óbitos em investigação para dengue. Vale ressaltar que os óbitos em questão foram notificados ao longo de 2019 e não são, necessariamente, óbitos recentes.
Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registrou 1.301 casos prováveis da doença em 2019. Até o momento, não houve registro de óbitos suspeitos da doença.
Já em relação à Zika, foram registrados 497 casos prováveis da doença em 2019, até a data de atualização do boletim.

Situação em Conselheiro Lafaiete
Em Conselheiro Lafaiete até momento (22/04) temos notificados 207 casos prováveis de dengue (casos confirmados + suspeitos), sendo 15 casos confirmados laboratorialmente e os outros 192 estão em investigação. Dos casos confirmados, 5 foram classificados como autóctones (de acordo com as informações colhidas contraíram a doença no município); 5 foram classificados como importados (de acordo com as informações colhidas contraíram a doença em outros municípios) e os outros 5 estão sendo investigados para que possa ser feita a devida classificação, autóctone ou importado. Até o momento não há registro de óbito confirmado no município.
As suspeitas estão bem espalhadas pelo município. Os bairros onde foram confirmados casos de dengue são: Parque dos Bandeirantes, Angélica, Paulo VI, Rochedo. E devido à foco positivo (encontraram larva durante as vistorias) já foi realizado o fumacê nos bairros: São Dimas, Amaro Ribeiro, Parque dos Ferroviários, Lourdes, Santa Matilde, Paulo VI.
Em relação à Chikungunya até o momento houve apenas um caso suspeito que foi descartado laboratorialmente. E quanto à Zika não há registrado de caso.
Conforme esclarecido pela SES-MG no boletim “um registro maior de casos é esperado para este período (meses quentes e chuvosos) devido à sazonalidade da doença”. Dessa forma, o município segue monitorando o aumento no número de casos de dengue.

As ações de controle da Dengue, Zika e Chikungunya são permanentes, ocorrendo durante todo o ano. O setor de Controle de Endemias/Vigilância em Saúde por meio dos Agentes de Combate às Endemias (ACE), fazem visitas domiciliares periódicas e também em comércios, terrenos baldios entre outros a fim de realizar tratamento com larvicida e eliminação mecânica dos depósitos necessários, e também pesquisa vetorial.
A secretaria Municipal de Saúde por meio do Departamento de Vigilância em Saúde convoca a população para ajudar nesse combate. De acordo com o Instituto Osvaldo Cruz, o mosquito transmissor da Dengue, vírus Zika, Chikungunya e Febre Amarela vive e se reproduz dentro e ao redor das nossas casas. “Agindo uma vez por semana na limpeza de possíveis criadouros, a população interfere no desenvolvimento do vetor, já que seu ciclo de vida, do ovo ao mosquito adulto, leva de 7 a 10 dias. Com uma ação semanal, é possível impedir que ovos, larvas e pupas do mosquito cheguem à fase adulta, freando a transmissão dessas doenças”.
Lajes: Não deixe água acumular nas lajes. Mantenha-as sempre secas. Ralos: Tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso.
Vasos sanitários: Deixe a tampa sempre fechada ou vede com plástico.
Piscinas: Mantenha a piscina sempre limpa. Use cloro para tratar a água e o filtro periodicamente.
Coletor de água da geladeira e ar-condicionado: Atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado.
Calhas: Limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água. Cacos de vidros nos muros: Vede com cimento ou quebre todos os cacos que possam acumular água.
Baldes e vasos de plantas vazios: Guarde-os em local coberto, com a boca para baixo.
Suporte de garrafão de água mineral: Lave-o sempre quando fizer a troca. Mantenha vedado quando não estiver em uso.
Falhas nos rebocos: Conserte e nivele toda imperfeição em pisos e locais que possam acumular água.
Caixas de água, cisternas e poços: Mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria.Tonéis e depósitos de água: Mantenha-os vedados. Os que não têm tampa devem ser escovados e cobertos com tela.
Objetos que acumulam água: Coloque num saco plástico, feche bem e jogue corretamente no lixo.
Vasilhas para animais: Os potes com água para animais devem ser muito bem lavados com água corrente e sabão no mínimo duas vezes por semana.
Pratinhos de vasos de plantas: Mantenha-os limpos e coloque areia até a borda.
Objetos d’água decorativos: Mantenha-os sempre limpos com água tratada com cloro ou encha-os com areia. Crie peixes, pois eles se alimentam das larvas do mosquito.
Lixo, entulho e pneus velhos: Entulho e lixo devem ser descartados corretamente. Guarde os pneus em local coberto ou faça furos para não acumular água.
Lixeira dentro e fora de casa: Mantenha a lixeira tampada e protegida da chuva. Feche bem o saco plástico.
Para mais informações e denúncias entre em contato pelo 3769-2555