Início Destaque Nota Informativa: Prevenção à Raiva

Nota Informativa: Prevenção à Raiva

466

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Controle de Zoonoses, vem notando um crescente número de colônias de morcegos em nossa cidade. Algumas espécies destes animais são os principais reservatórios e transmissores da raiva. Visto isso, é de extrema importância que toda população tenha conhecimento sobre a doença.

Importante ressaltar que os morcegos são animais silvestres protegidos pelas leis federais de proteção ao meio ambiente (5.197/67 e 9.605/98), sendo que a caça, apanha e morte dos mesmos são considerados crimes ambientais.

O que é a Raiva?
A raiva também pode ser chamada de hidrofobia e é uma zoonose (doença comum aos seres humanos e animais) de caráter infeccioso que é causada por um vírus do gênero Lyssavirus. Esse vírus é capaz de comprometer gravemente o sistema nervoso central, e por isso, a raiva é considerada uma doença grave, com um alto nível de letalidade.

Transmissão:
A transmissão da raiva ocorre quando os vírus da raiva existentes na saliva do animal infectado penetram no organismo através da pele ou de mucosas, por meio de mordedura, arranhadura ou lambedura.

Sintomas:
Em todos os animais costumam ocorrer os seguintes sintomas:

  • Dificuldade para engolir;
  • Salivação abundante;
  • Mudança de comportamento;
  • Mudança de hábitos alimentares;
  • Paralisia das patas traseiras.

Nos cães, o latido torna-se diferente do normal, parecendo um “uivo rouco”, e os morcegos, com a mudança de hábito, podem ser encontrados durante o dia, em hora e locais não habituais.

O que fazer quando agredido por um animal, mesmo se ele estiver vacinado contra a raiva:

  • lavar imediatamente o ferimento com água e sabão;
  • procurar com urgência o Serviço de Saúde mais próximo;
  • não matar o animal, e sim deixá-lo em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva;
  • animal deverá receber água e alimentação normalmente, num local seguro, para que não possa fugir ou atacar outras pessoas ou animais;
  • Se o animal adoecer, morrer, desaparecer ou mudar de comportamento, voltar imediatamente ao Serviço de Saúde;
  • Nunca interromper o tratamento preventivo sem ordens médicas;
  • Quando um animal apresentar comportamento diferente, mesmo que ele não tenha agredido ninguém, não o mate nem abandone e procure o Serviço de Saúde – Isso representa crimes de maus tratos e pode dar cadeia.

Prevenção:

  • Levar os animais domésticos para serem vacinados contra a raiva, anualmente;
  • Procurar sempre o Serviço de Saúde, no caso de agressão por animais;
  • Manter seu animal em observação se ele agredir alguém;
  • Não deixar o animal solto na rua e usar coleira/guia no cão ao sair.

Colaborar com os Serviços de Saúde nas medidas de controle de raiva:

  • Notificar a existência de animais errantes nas vizinhanças de seu domicílio;
  • Informar o comportamento anormal de animais, sejam eles agressores ou não;
  • Informar a existência de morcegos de qualquer espécie;
  • Providenciar a entrega de animais para coleta de material para exames de laboratório, nos casos de morte dos animais com suspeita de raiva ou por causa desconhecida.

Evite:

  • Tocar em animais estranhos, feridos ou doentes;
  • Perturbar animais quando estiverem comendo, bebendo ou dormindo;
  • Separar animais que estejam brigando;
  • Entrar em grutas ou furnas e tocar em qualquer tipo de morcego (vivo ou morto);
  • Criar animais silvestres ou tirá-los de seu “habitat” natural.

Com relação aos animais de grande porte:

  • Todos os produtores e criadores devem vacinar seus animais anualmente contra raiva, portanto, aqueles que não vacinaram seus animais devem proceder de forma breve a imunização dos mesmos. Sendo que aqueles que não estiverem com a vacinação de seus animais em dia, poderão sofrer as sanções cabíveis pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), uma vez que a notificação ao órgão é realizada no ato da compra da vacina;
  • Animais que apresentarem sinais característicos da doença, os proprietários devem procurar imediatamente ao Centro de Controle de Zoonoses ou IMA;

Orientação aos Médicos Veterinários:

  • Manter o controle profilático em dia;
  • Em caso de qualquer animal suspeito para raiva, comunicar de forma imediata o Centro de Controle de Zoonoses;
  • Redobrar a atenção para o uso adequado dos EPIs;
  • Reforçar as medidas profiláticas a todos os tutores, criadores e produtores.

Clique aqui para acessar a nota específica para médicos veterinários

O Centro de Controle de Zoonoses fica localizado a Rua Pedro Camargos, 240 – bairro São Sebastião. Telefone para contato: 31 3769-2505