Grupo Maria Cutia traz espetáculo e oficina a Conselheiro Lafaiete

818
0

A programação gratuita integra o projeto de circulação do espetáculo Auto da Compadecida, que, de abril a agosto, tem levado o premiado trabalho da trupe mineira, ao Espírito Santo, Minas Gerais e Maranhão. Agora em maio, o espetáculo passa por Barbacena (26.05), Conselheiro Lafaiete (27.05) e Belo Vale (28.05).
Releitura da obra de Ariano Suassuna, a peça possui direção e concepção geral do consagrado diretor Gabriel Villela .
No mês de maio, o Grupo Maria Cutia de Teatro segue em turnê do espetáculo “Auto da Compadecida” e chega, pela primeira vez, a Conselheiro Lafaiete (MG) no dia 27 de maio, sábado, às 19h30, no Teatro de Arena (Praça do Cristo / Santa Efigênia). Com trajetória de quase 20 anos, a premiada companhia de Belo Horizonte (BH) – que já percorreu seis países e todas as regiões do Brasil – traz ao público da cidade mineira uma releitura do texto de Ariano Suassuna, com direção e concepção geral do célebre diretor Gabriel Villela.
O grupo oferece ainda uma oficina de teatro a estudantes de arte, educadores e interessados em geral, no dia 15 de maio, segunda, às 19h, no Solar Barão de Suaçuí (Rua Barão de Suassuí, n. 106, Santa Efigênia). As inscrições são feitas pelo link na bio do instagram: @grupomariacutiadeteatro. Toda programação é gratuita. Este projeto tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e realização do Grupo Maria Cutia e do Governo Federal – União e Reconstrução.
“Faz muito tempo que a gente não realiza uma turnê grande com o Auto da Compadecida”, conta o ator e fundador da trupe, Leonardo Rocha. O espetáculo estreou em 2018, porém, com a pandemia foi preciso cancelar a participação em diversos festivais no Brasil. “É um espetáculo muito bonito visualmente, muito popular, não só pelo texto, mas pela encenação, e a gente é um grupo que gosta de viajar e conhecer pessoas”, diz.
“Muitas vezes as pessoas ficam sabendo da peça porque passam pela Praça. E esse encontro não programado é muito saboroso, porque a gente conhece gente que talvez não fosse assistir ao Maria Cutia, se não fosse pelo acaso, que só o teatro de rua pode proporcionar e que dá ainda mais sentido”, comenta a atriz e fundadora do grupo Mariana Arruda.
Inspirado na abordagem mítica brasileira do famoso anti-herói ou herói sem caráter, em “Auto da Compadecida”, o Maria Cutia narra as aventuras picarescas de João Grilo e Chicó que começam com o enterro e o testamento do cachorro do Padeiro e de sua Mulher e acabam em uma epopeia milagrosa no sertão envolvendo o clero, o cangaço, Jesus, Maria e o Diabo. “Desde o início, a ideia era fazer um espetáculo para a rua”, explica Leonardo. Quando a peça começou a circular, o ator relata que a maioria dos festivais eram praticamente no formato palco. “Tem uma coisa na poética do grupo que é ser essencialmente de rua. A gente nunca faz um espetáculo pensando que vai ser só palco. E como durante esta turnê só vamos apresentar em espaços ao ar livre, a expectativa está grande por aqui”, revela.
Na versão mineira, o público entra em contato com o universo barroco, expresso no cenário e nos figurinos criados pelo diretor Gabriel Villela. Outro aspecto que ganha força com a adaptação do Maria Cutia é o acento em temas já abordadas na obra de Suassuna, como o racismo, a ganância, a exploração da fé alheia.

Com pitadas de ironia, o trabalho pode ser enquadrado no gênero cênico-musical-picaresco que confere ao texto de Suassuna um ar brechtiano. O olhar político (sem didatismo ou partidarismo) do espetáculo, desprendido do enredo criado pelo célebre autor paraibano, traz outra camada à obra, aproximando Suassuna de acontecimentos da política brasileira atual.
Segundo a coordenadora de produção da companhia, Luisa Monteiro, estabelecer parcerias nas localidades e mobilizar público, são alguns dos desafios da turnê para quem está produzindo à distância, mas que também podem revelar surpresas. “Lafaiete, por exemplo, é uma cidade muito cultural. É muito bom estar em cidades que já vivenciam a experiência teatral e que possuem grupos estabelecidos. Estão aí os ganhos do ofício”. A programação do Grupo Maria Cutia em Conselheiro Lafaiete (MG) conta com o apoio da Prefeitura e da Secretaria de Cultura da cidade.
Além da apresentação do “Auto da Compadecida”, o grupo oferece ainda uma oficina gratuita de teatro intitulada “Auto no Ato”, que propõe uma vivência cênico-musical com técnicas de canto e expressão vocal partindo da pesquisa feita pela trupe para a montagem do “Auto da Compadecida”. A oficina é voltada para artistas, estudantes de arte, educadores e interessados em geral. “Propomos jogos de improviso com o objetivo compartilhar nossa experiência e vivência cênica enquanto coletivo, usando várias linguagens como a música, o teatro e a palhaçaria”, adianta Luisa Monteiro.