Conselheiro Lafaiete

Introdução

História

Pontos turísticos

Hino oficial

Como chegar

Créditos

 


 

 

Igrejas

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Imaculada Conceição

A freguesia de Nossa Senhora da Conceição foi instituída em 1709, pelo cônego Trindade, nessa época, a Igreja Matriz situava-se em outro local, sendo que, o atual templo foi construído a partir de 1732.
O painel do altar mor, os retábulos e altares, possuem características das três classes barrocas do Brasil Colonial e de outras estéticas posteriores, que configuram o processo histórico de mais de duzentos e cinqüenta anos.

A imagem do Senhor dos Passos, vinda de Portugal, no século XVII, tem o sangue da testa e das mãos encarnadas em rubi.
Em seu interior, estão sepultados, entre os restos mortais de outras figuras famosas, os do Barão de Pouso Alegre e o da Baronesa, bem como as cinzas do seu filho, o conselheiro do Império, Lafayette Rodrigues Pereira, patrono da cidade.


A edificação religiosa conta com pequeno adro a sua volta, estando o mesmo ligeiramente elevado em relação às ruas. O acesso se dá por escadaria frontal e lateral. Aos fundos há área semicircular e à frente, um platô defronte à porta principal, entre a mesma e a escadaria. Lateralmente, há ajardinamento entre o passeio de nível inferior e a área de circulação próxima às fachadas. Um antigo cemitério ocupava esse adro e foi extinto no início do século XX.

Testemunha do passar dos tempos, a Matriz é o mais valioso patrimônio artístico de Conselheiro Lafaiete.



Igreja Matriz de São Sebastião  

Em 31 de maio de 1931, ocorreu a benção da pedra fundamental para construção do novo templo, cujo santo de devoção seria São Sebastião, o padroeiro da freguesia (bairro Lafayette). Durante a benção, estiveram presentes: Governo Provisório da República Brasileira, o doutor Getulio Dornelas Vargas e o Acerbispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, o interventor do Estado de Minas Gerais, o doutor Olegário Maciel, e o governante da cidade, o coronel José Correia de Figueiredo.

A Capela tornou-se paróquia de São Sebastião em 1941, sendo seu primeiro pároco o Monsenhor Antonio José Ferreira, que permaneceu à frente da paróquia até sua morte em 1985, sendo substituído por seu irmão o padre Ermano José Ferreira, até falecer em 2004.

Dentre as curiosidades da Igreja Matriz São Sebastião estão os sinos que

foram doados pela Rainha Helena, da Itália, em 1914 para a antiga Capelinha, em atenção a uma petição da colônia italiana de Queluz.



Igreja Matriz do Bom Pastor  

No dia 22 de abril de 1967 foi escolhido o “Bom Pastor” para padroeiro da futura paróquia; nessa mesma reunião, de Dom Oscar juntamente com os padres da cidade, marcaram para o dia 1ª de maio, de 1969, a instalação da nova paróquia, nessa data o padre Cornélio Moerel foi empossado como o primeiro padre. Em 17 de agosto de 1969, foi realizada a Benção da pedra fundamental da futura matriz, por Dom Oscar de Oliveira. Também foi inaugurado o coral Bom Pastor. A chegada da imagem do Bom Pastor, proveniente de Buarque de Macedo, em procissão motorizada até a matriz, aconteceu no dia 22 de abril de 1978. A primeira missa é realizada no dia 27 de julho de 1979. Na primavera de 1987, o Padre Cornélio passa a administração da Matriz ao Pe. Mauricio Peeters, pertencente aos padres do trabalho. No dia 26 de fevereiro de 1990 toma posse o Padre Roberto de Carvalho Bruno, que atualmente continua na administração da matriz Bom Pastor. A bela imagem do bom Pastor, foi oferecida a comunidade pelo senhor Anestor Augusto.

 



Basílica do Sagrado Coração de Jesus
 

A paróquia do Sagrado Coração de Jesus foi criada pelo Arcebispo Dom Oscar de Oliveira. Seu primeiro pároco o padre Hermenegildo Adami Carvalho, foi empossado dia 1ª de janeiro de 1965.
No mesmo ano, começaram, às sextas feiras, as visitas de numerosos fiéis, à antiga capelinha dedicada a Nossa Senhora da Paz, na qual se instalou a recém-criada paróquia.

Na primeira visita pastoral a ela feita, de 21 a 24 de abril de 1966, Dom Oscar de Oliveira reconheceu oficialmente a Capelinha e a doação da imagem do Santuário do Coração de Jesus, de 2 metros de altura, especialmente encomendada na Europa pelo Arcebispo de Mariana, Dom Silvério Gomes Pimenta.

No dia 25 de junho de 1966, em cortejo presidido por Dom Oscar de

Oliveira, procedente de Mariana, a imagem do Sagrado Coração de Jesus chegara ao alto do antigo Morro do Cabo Verde, local do futuro Santuário.

Em 02 de julho de 1967, foi lançada a pedra fundamental do Santuário, a qual já havia sido benta pelo 2º Arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, e se achava sob a guarda da Paróquia de São Sebastião, da cidade de Conselheiro Lafaiete.
No dia 11 de fevereiro de 1968, o serviço religioso da paróquia foi transferido da pequena capela, que seria demolida, para outra edificação especialmente construída para tal fim. E foi aí que se desenvolveu toda a vida paroquial, até 28 de abril de 1975, quando também, foi demolida para construção da praça do Santuário.

A construção do Santuário, de capacidade para três mil pessoas, foi executada sobre a planta dos engenheiros Ildeu de Oliveira Aguiar, Mildo Rugani, Sergio Mourthé Araújo e responsável pela execução da obra engenheiro Orlando Baeta da Costa.

Em 08 de dezembro de 1975, foi colocada sobre a torre do Santuário a imagem do Sagrado Coração de Jesus, em alumínio, pesando 2500 Kg e com altura de 32 metros, obra do senhor Vicente Martins da Silva.
No dia 23 de novembro de 2003, a igreja do Sagrado Coração de Jesus, foi elevada ao título de Basílica.



Igreja de Santa Efigênia
 

A igreja de Santa Efigênia, situada no final da rua Barão de Suassui, foi construída na década de 1920, por Francisco Gonçalves, homem negro, de origens simples, era pedreiro e conhecido por atuação nas tradicionais Marujadas, conhecido pela alcunha de Chico Grande, em cumprimento a uma promessa. Tendo alcançado a graça por intermédio da santa, Chico Grande começou a esmolar em prol da construção da capela que prometera. A capela foi edificada em terreno doado pela senhora Anna Maurícia Halfeld, em 1925, no lugar denominado Alto da Eva ou dos Barrancos, hoje bairro Santo Efigênia.

Concluída a obra, a igreja foi inaugurada a 22 de agosto de 1926. Na ocasião, o Padre Américo Tait-Son, benzeu a imagem, doada por Carmelino Reis e pelo Dr. José Guilherme, que saiu em procissão da Farmácia Central em direção à sua capela.



No final da década de 1940, o então vigário de Nossa Senhora da Conceição, o Cônego José Sebastião Moreira, reconstruiu a pequena capela. Dom Daniel Tavares Baêta Neves, bispo auxiliar de Mariana, oficializou a benção do templo, em 15 de outubro de 1950.

Em 1979, a igreja foi reformada, com novo retábulo e sagração do altar de mármore. A sagração foi oficializada no dia 23 de setembro de 1979, por delegação do arcebispo de Mariana, Dom Oscar de Oliveira. Na época, a prefeitura realizou, também completa remodelação do eterno da igreja, tornando-se mais um cartão-postal da cidade.



Igreja de São Gonçalo do Brandão
 

O povoado de São Gonçalo do Brandão tem suas origens no início do século XVIII quando os portugueses Manoel Pereira do Brandão e Bernardo Martins Pereira aqui chegaram, por volta de 1720, e se fixaram naquelas terras, onde fundaram suas fazendas.

Ainda no século XVIII, nas terras da fazenda de Manoel Pereira Brandão, foi se formando um povoado, devido ao acréscimo das famílias e outras pessoas que foram se mudando para aquela localidade.

Atualmente o único monumento histórico ali existente é a capela de São Gonçalo, antiga ermida da fazenda de Manoel Pereira Brandão.

A antiga capela, com belíssimo altar, serviu, por longos anos, para os exercícios religiosos dos moradores daquela povoação. Apesar de nunca ter sido capela curada, o Padre Cândido Thadeu Pereira Brandão, 4º vigário colado da Matriz de Queluz, alcançou, do Exmo. Sr. Bispo de Mariana, privilégio de Pia Bastimal para aquela capela.

A capela de São Gonçalo foi filial de Nossa Senhora da Conceição até 1911, eleva a capela curada, começando a desmembrar-se da Matriz da

Conceição. Há uns poucos anos, quando foi criada a paróquia de Nossa Senhora da Luz, a capela de São Gonçalo passou a ser uma de suas filiais.

Durante o período em que o Monsenhor Antônio José Ferreira, esteve a frente da igreja de São Sebastião foi construída uma nova igreja em São Gonçalo, sem demolir o templo antigo.



Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Passagem do Gagé

O antigo e já extinto povoado de Passagem, atual cidade de Conselheiro Lafaiete teve sua origem nos primórdios do século XVIII, no vale das terras do Cuyabá. O desvio do curso de água vertente do rio Piranga para o rio Paraopeba, que deu origem ao nome “Passagem”, ocorreu justamente para que os mineradores dispusessem de mais abundância de água nas minerações. Tal foi a opulência naquela época que, segundo a tradição, ao ser deliberado a construção de uma capela na localidade os mineradores ficaram obrigados a dar uma certa quantia de cada extração de ouro que se fizesse no local; uma obrigação moral, já que a Coroa jamais permitiria isso. Em decorrência da extração aurífera, surgiu o arraial e a capela, dedicada a Nossa Senhora da Conceição.

O patrimônio da capela foi constituído pelo padre Silvestre da Silva. Posteriormente, padre Silvestre vendeu a fazenda a seu irmão João José Silveira que respeitou o patrimônio da Igreja, de quem tornou-se
protetor. João José, por sua vez, vendeu a capela, já em dias de decadência do arraial, na primeira metade do século XIX, a Joaquim Lourenço Baeta Neves, que a legou a Daniel Lourenço Baeta Neves e este a Antonio Pedro Baeta Neves. Com a decadência do arraial no século XIX, o patrimônio da capela foi colocado em risco, terminando com uma

demanda judicial em 1901, pois os donos da fazenda julgavam ser proprietários das terras do arraial, desconhecendo o patrimônio eclesiástico. O contento encontrou seu termo após uma exposição detalhada e bem fundada do vigário de Queluz, padre Américo Adolpho Taitson, que demarcou o patrimônio da Igreja como sendo as terras que iam “dos vales do Campinho aos do Cuyabá, dos do Adaú ao rio abaixo, formando uma cruz de braças eqüidistantes”.

A Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Passagem do Gagé tem sua fachada lavrada em pedra. Em seu lavabro, na sacristia, está gravada a data 1774, possivelmente referindo-se ao término de sua construção.

Exemplar da arquitetura religiosa de Minas Gerais, com características explicitas do Barroco Mineiro, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição teve sua edificação cuidadosamente restaurada, com aplicação de elementos artísticos, compondo uma proposta de paisagismo para o seu entorno, entregue à comunidade em outubro de 2009.



Igreja Nossa Senhora da Luz
Capela de Nossa Senhora das Candeias

A partir de 1906, iniciou o movimento a fim que fosse construída, uma capela no antigo bairro Areal.
Por fim, na década de 1910, a Capela já se encontrava concluída e consagrada.

Por volta de 1926, a cidade sofreu uma grande epidemia de varíola. A doença havia atacado a população nos mais diversos bairros da cidade, e o número de mortes já era bastante grande, sendo assim, as autoridades resolveram fazer um cemitério de emergência. O local escolhido foi o fundo da Capela das Candeias, que na época quase não havia movimento. Ali foram sepultados inúmeros corpos. Quando da construção da Br 040, ao passar esta, pelo fundo da Capela, com máquinas fazendo o desaterro e terraplanagem, foram desenterradas grandes quantidades de ossadas humanas, sepultadas durante a epidemia.
Em 1960, a Capela ficou pequena ao número de fiéis,e sendo assim foi projetada uma igreja maior, mais moderna e arrojada.

A Capelinha foi demolida, surgindo em seu lugar a Igreja Nossa Senhora da Luz.



Igreja São João Batista
Antiga Capela de São João

Construída em 1901, era uma das antigas capelas de Queluz.
Situada no final da rua dos Pinheiros, atual Arthur Bernardes, estava sempre repleta de fiéis, principalmente no mês de junho, realizava rezas, leilões e quadrilhas.

A pequena Capela de São João já não dava espaço “a quantidade de fiéis que a procuravam, daí a necessidade de ser edificada uma nova igreja, que comportasse a grande demanda do povo da região”.

A capela foi demolida na década de 70, em seu lugar foi construída a Igreja de São João Batista que foi elevada a Matriz, por decreto do Dom Luciano Mendes, Arcebispo de Mariana, em 1990, que tinha o como pároco o senhor Cornélio Moerel.



Capela de Santo Antônio

Construída em 1751, no estilo Barroco/Rococó, onde está sepultado o corpo do Padre Américo Taitson, benfeitor do Colégio Nossa Senhora de Nazaré. Por volta de 1741, esteve em Carijós um franciscano, conhecido por Frei Jerônimo, que benzeu um pedaço de terra, junto ao morro das cruzes, onde hoje se localiza a Igreja de Santo Antônio. A igreja é de arquitetura maneirista, feita em taipa de pilão. Sob a pintura atual a óleo existe douramento em alguns locais. O altar-mor é em estilo Rococó e o telhado em estilo chinês. Há ainda um belíssimo púlpito do século XIX. Possui imagens esculpidas em madeiras vindas de Portugal. Suspeita-se que duas imagens (Sta Bárbara e São Jerônimo) tenham sido esculpidas por Aleijadinho. A igreja foi toda decorada por escravos.