Portadores de autismo conquistam atendimento preferencial

Placa indicativa de atendimento preferencial instalada na área de espera de estabelecimento

Placa indicativa de atendimento preferencial instalada na área de espera de estabelecimento

Na tarde desta terça-feira (20), um ato simbólico deu início ao cumprimento de uma nova lei no município por parte de estabelecimentos públicos e privados. A lei em questão é a de número 5.890 de 2018, que torna obrigatória a inserção de placas indicativas de atendimento preferencial às pessoas portadoras de autismo. Os estabelecimentos locais devem conter placas que contêm o espectro autista. O objetivo desta lei é de assegurar o atendimento prioritário para este público e seus acompanhantes, mediante apresentação de laudo médico. O benefício do atendimento já acontece para idosos, gestantes, lactantes e portadores de necessidades especiais.

A lei é de autoria da vereadora Carla Sássi e foi sancionada em 11 de Janeiro deste ano pelo prefeito Mário Marcus. Ambos participaram na parte da tarde, no laboratório Hemolab, do ato simbólico de instalação da primeira placa contendo a nova exigência. No local também estiveram presentes os membros da Associação dos Familiares e Autistas Unidos Pelo Autismo (AFAUPA), além de pessoas que possuem familiares autistas e proprietários do laboratório.

WhatsApp Image 2018-02-20 at 18.02.31 (1)

Prefeito Mário Marcus, vereadora Carla Sássi, Maria Izabel Dias de Faria (ao lado da placa)acompanhados de familiares e proprietários do estabelecimento

Na área de espera do laboratório foram instaladas placas contendo o símbolo do autismo. A doença é caracterizada por uma fita de quebra cabeças, que representa o mistério e complexidade desta patologia.

A presidente da AFAUPA, Maria Izabel Dias de Faria, comentou sobre a importância desta nova medida, pois o público autista ainda sofre muito preconceito e até descaso para aquelas pessoas que não sabem detalhes sobre a doença. “Em nome das pessoas que estão nesta luta junto à nossa associação, agradeço pela atenção dada pelo legislativo e executivo. Muitas das mães e pais, ás vezes, nem eram ouvidos e várias instituições de saúde nem consideram o autismo como uma necessidade especial. Hoje é um dia de alegria, pois esta é uma grande vitória para nós”, comentou.

«

»